Ocorreu um erro neste gadget
Ocorreu um erro neste gadget

quinta-feira, 26 de maio de 2011

A GUERRA MAIS SEM SENTIDO DO MUNDO.

Mensagem recebida por email.

Caros amigos,


Em dias, um grupo de poderosos líderes mundiais irá pedir à ONU que acabe a guerra contra as drogas e se mova em direção à legalização. Mas os políticos dizem que a sociedade não irá apoiar políticas alternativas com relação às drogas. Vamos apoiar massivamente esta oportunidade única e agir urgentemente. Assine abaixo, e conte a todos:

Sign the petition!
Em dias nós podemos ver o começo do fim da 'guerra às drogas'. O tráfico ilegal de drogas é a maior ameaça à segurança da nossa região, mas essa guerra brutal falhou completamente em conter a praga da drogadição, ao custo de inúmeras vidas, da devastação de nossas comunidades e do afunilamento de trilhões de dólares em violentas redes de crime organizado.


Especialistas concordam que a política mais sensata é acabar com a guerra às drogas e legalizá-las, mas a maioria dos políticos tem medo de tocar no assunto. Em dias, uma comissão global incluindo antigos chefes de estado e altos membros da política externa do Reino Unido, União Europeia, Estados Unidos e México irão quebrar o tabu e pedir publicamente novas abordagens, inclusive a descriminalização e legalização de drogas.


Este pode ser um momento único -- se um número suficiente de nós pedir um fim a essa loucura. Políticos dizem que entendem que a guerra às drogas falhou, mas alegam que a sociedade não está pronta para uma alternativa. Vamos mostrar a eles que não apenas aceitamos uma política sã e humana -- nós a exigimos. Clique abaixo para assinar a petição e partilhe com todo mundo -- se nós alcançarmos 1 milhão de vozes, ela será entregue pessoalmente aos líderes mundiais pela comissão global:

http://www.avaaz.org/po/end_the_war_on_drugs_la/?vl


Nos últimos 50 anos as políticas atuais de combate às drogas falharam em toda a América Latina, mas o debate público está estagnado no lodo do medo, da corrupção e da falta de informação. Todos, até o Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime, que é responsável por reforçar essa abordagem, concordam -- organizar militares e polícia para queimar plantações de drogas em fazendas, caçar traficantes, e aprisionar pequenos traficantes e usuários – tem sido completamente improdutivo. E ao custo de muitas vidas humanas - do Brasil ao México, e aos Estados Unidos, o negócio ilegal de drogas está destruindo nossos países, enquanto a drogadição, as mortes por overdose e as contaminações por HIV/AIDS continuam a subir.

Enquanto isso, países com uma política menos severa -- como Suíça, Portugal, Holanda e Austrália -- não assistiram à explosão no uso de drogas que os proponentes da guerra às drogas predisseram. Ao invés disso, eles assistiram à redução significativa em crimes relacionados a drogas, drogadições e mortes, e são capazes de focar de modo direto na destruição de impérios criminosos.

Lobbies poderosos impedem o caminho da mudança, inclusive militares, polícias e departamentos prisionais cujos orçamentos estão em jogo. E políticos de toda nossa região temem ser abandonados por seus eleitores se apoiarem abordagens alternativas. Mas pesquisas de opinião mostram que cidadãos de todo o mundo sabem que a abordagem atual é uma catástrofe. E liderados pelo presidente Cardozo, muitos Ministros e Chefes de Estado manifestaram-se pela reforma depois de deixar seus cargos. O momento está finalmente chegando de discutir novas políticas na América Latina, Estados Unidos e outras partes do mundo que estão devastadas por essa política desastrosa.

Se pudermos criar uma manifestação global nos próximos dias para apoiar os pedidos corajosos da Comissão Global de Política sobre Drogas, nós poderemos superar as desculpas estagnadas para o status quo. Em nossas vozes está a chave da mudança -- assine a petição e divulgue:

http://www.avaaz.org/po/end_the_war_on_drugs_la/?vl

Nós temos uma chance de entrar no capítulo final dessa 'guerra' violenta que está destruindo milhões de vidas. A opinião pública irá determinar se essa política catastrófica será finalizada ou se políticos continuarão a nos usar como desculpa para evitar a reforma. Vamos nos unir com urgência para empurrar nossos líderes para fora da dúvida e do medo, para cruzar a fronteira e entrar no domínio da razão.

Com esperança e determinação,

Luis, Alice, Laura, Ricken, Maria Paz e toda a equipe Avaaz

FONTES:

Drogas e Democracia: Rumo a uma mudança de Paradigma, Comissão Latino-Americana sobre Drogas e Democracia
http://www.drogasedemocracia.org/Arquivos/livro_port_03.pdf

Avaliação da Política sobre Drogas dos Estados Unidos
http://www.drogasedemocracia.org/Arquivos/peter_reuter_portugues.pdf

Drogas. Alternativas à "guerra"
http://www.idpc.net/pt-br/publications/drogas-alternativas-a-guerra

“Guerra às drogas mostrou-se ineficiente”, afirma presidente da Fiocruz
http://www.planetaosasco.com/oeste/index.php?/2011051613610/Nosso-pais/guerra-as-drogas-mostrou-se-ineficiente-afirma-presidente-da-fiocruz.html

Inovações Lesislativas em Políticas sobre Drogas
http://comunidadesegura.com.br/pt-br/node/47715

Os maiores massacres promovidos pelo narcotráfico no México
http://oglobo.globo.com/mundo/mat/2011/05/20/os-maiores-massacres-promovidos-pelo-narcotrafico-no-mexico-924507620.asp

Drogas arrastam mulheres para o comando do tráfico
http://diariodonordeste.globo.com/materia.asp?codigo=973987

A insustentável guerra às drogas
http://www.brasildefato.com.br/node/5269

A Comissão Mundial sobre Política de Drogas, que vai pedir à ONU para acabar com a guerra contra as drogas (em Inglês)
http://www.globalcommissionondrugs.org/Documents.aspx


Apoie a comunidade da Avaaz! Nós somos totalmente sustentados por doações de indivíduos, não aceitamos financiamento de governos ou empresas. Nossa equipe dedicada garante que até as menores doações sejam bem aproveitadas -- clique para doar.


A Avaaz é uma rede de campanhas globais de 8 milhões de pessoas que se mobiliza para garantir que os valores e visões da sociedade civil global influenciem questões políticas internacionais. ("Avaaz" significa "voz" e "canção" em várias línguas). Membros da Avaaz vivem em todos os países do planeta e a nossa equipe está espalhada em 13 países de 4 continentes, operando em 14 línguas. Saiba mais sobre as nossas campanhas aqui, nos siga no Facebook ou Twitter.

segunda-feira, 23 de maio de 2011

Homossexualidade! Doença ou Pecado?

Vou falar em homossexualidade e não em homossexualismo, pois este último termo carrega em seu sufixo a idéia preconcebida de doença. O que não é! O registro da homossexualidade humana é tão velho quanto o da própria história humana. Existe uma predominância de homens que são homens assim como há uma predominância de mulheres que são mulheres, considerando tanto os aspectos físicos como psicológicos. Mas há uma larga e variável gama de indivíduos que não se enquadram nestas duas categorias. Simplesmente porque este enquadramento não é um pré-requisito obrigatório para que o indivíduo seja considerado um ser humano. É assim na natureza! Em todas as espécies animais. E tanto quanto se saiba ainda somos uma espécie animal. Arrogante! Que nega o fato! Mas animal! Um pouco mais evoluídos e cultos, mas animais. Tire os recursos da civilização do alcance do homem e num curtíssimo tempo observe no que ele se transformará.

Esqueça o determinismo genético para explicar a opção sexual de um indivíduo! Isto é uma bobagem! Não há desvios de comportamento, distúrbios mentais, doença endócrinas, crimes sociais ou pecados contra uma determinada religião. A homofobia, esta sim, é um crime contra os direitos humanos, um pecado contra um irmão, e potencialmente uma doença mental que necessita ser tratada.

O comportamento humano, resultado das infinitas interações, inferência e escolhas que ocorrem no cérebro de um indivíduo, é algo extremamente complexo para ser enquadrado por qualquer conjunto de regras preconceituosas. Não é possível determinar ou equacionar a somatória das afinidades num intelecto. Sejam elas pela cor, pelo cheiro, pelo som, pelo estético, pela verdade, pelas respostas recebidas na vida, pelos exemplos observados, pela tendência profissional, e pelo sexo que a complementa.

Se um indivíduo é homossexual, ou heterossexual, ou bi-sexual isto é irrelevante no que diz respeito à funcionalidade da civilização. Ou é tão relevante quanto o fato dele ser branco, ou preto, ou amarelo, ou vermelho, ou não tem cor definida. Ou isto pra você tem relevância?

Atendo pessoas de todos os sexos! Atendo mulheres que nasceram num corpo de mulher. Tiveram suas vidas enquadradas pela sociedade. Casaram e tiveram filhos. E vivem num profundo estado de infelicidade por que o seu psiquismo é homossexual. E isto é toda a vida delas. O que podemos fazer por estas pessoas? Tratá-las como se fossem doentes? Rezar para que se arrependam de seus pecados? Virar as costas para suas histórias e dores incômodas? Devemos investigar uma causa? Ou abrir os seus olhos?

Esta realidade, que parte da sociedade discrimina, é fruto do quê? A igreja tão pródiga em crucificar homossexuais, e tão omissa nos casos de pedofilia, nos ensina que fomos criados a imagem e semelhança do Criador. Qual é o sexo de Deus? Ele não tem? Então está explicado!

Agora ouço sermões religiosos inflamados contra a aberração do homossexualismo; como eco ao recente reconhecimento dos direitos legais dos homossexuais. Ouço reclamações das professoras frente à possibilidade de um aumento da contribuição previdenciária para que seja possível atender ao contingente de parceiras de suas colegas homossexuais, mas se esquecem de que estas já absorveram o aumento gerado pelo ingresso dos maridos das heterossexuais, no aumento anterior, quando o número era bem maior!

O próprio sistema capitalista vai se encarregando de diluir o preconceito e sutilmente induzindo os poderes constituídos a repensarem generosamente seus posicionamentos contra esta “pobre minoria oprimida”! Afinal, os casais homossexuais costumam ser mais produtivos; sem a divisão casa-trabalho necessária para cuidar de filhos. Os homossexuais mostram uma nítida busca por uma melhor qualificação profissional para contrabalançar a maré discriminatória. Os homossexuais costumam estudar mais, viajar mais, consumir mais, pagar mais imposto… e serem mais passionais ao pagarem seus dízimos!

E então passa a ser anormal ser contra o usual.

Texto do Blog O CÁGADO XADREZ
http://romacof.wordpress.com/