Ocorreu um erro neste gadget
Ocorreu um erro neste gadget

sábado, 27 de março de 2010

California, estado dos EEUU, vai Exportar detentos para o México... e exporta o "modus operandi" caótico a muitos países, exemplo : ES de paulo hartung

California, estado dos EEUU,  vai Exportar detentos para o México

Califórnia decide reduzir população carcerária para estancar crise no orçamento
The New York Times

LANCASTER, Califórnia - A grave crise no orçamento da Califórnia forçou o estado a tratar da superlotação nas cadeias.

O estado iniciou nas últimas semanas suas maiores mudanças desde 1970 para diminuir a superlotação - e reduzir a impressionante taxa de 70% de reincidência de crimes - enquanto a população carcerária se transforma num dos maiores drenos dos já debilitados cofres do estado.

Cerca de 11% do orçamento estadual, ou cerca de US$ 8 bilhões, vão para o sistema penal, mais do que é gasto como educação superior.

Menos 9.500 detentos nas prisões

Os problemas do sistema são evidentes numa prisão em Lancaster, 80 km ao norte de Los Angeles, onde 4.600 presos ocupam prédios erguidos para um terço deste número. Um asfixiante ginásio abriga 250 pessoas em beliches, de parede a parede.

Os novos esforços neste ano são direcionados a remover das prisões criminosos de 'baixa periculosidade'. O objetivo é retirar 9.500 detentos das 33 carceragens do estado até o ano que vem. No total, há 197.000 presos na Califórnia, a maioria composta por latinos ou negros.

Para reduzir a volta de ex-criminosos para a prisão por violações da sentença condicional, centenas de presos por delitos simples vão ser libertados sem serem submetidos à supervisão de policiais.

Alguns prisioneiros também podem ser libertados antes do prazo, depois de passar por programas de educação e contra drogas, ou ter as sentenças reduzidas sob novas fórmulas de cálculo que levam em conta o tempo de prisão antes e depois da sentença.

O governo Schwarzenegger cogitou uma série de outras ideias para reduzir custos, incluindo prisão no México e entregar prisões à iniciativa privada 
 
 
Comentando:
 
Quer dizer:
Os EUA agora exportarão oficialmente a violência. 
Reduzir essa taxa de criminalidade e reincidência, não passaria por combate ao tráfico nas fronteiras? ( Trafico de mulheres, órgãos e droga?)

Enquanto no Brasil o índice gerador de violência é em 75% dos casos ( dos criminosos detidos, os de colarinho branco, não sabemos estão livres ou compram Habeas antes mesmo de ocuparem celas especiais por uma horinha) é a exclusão social ( que "engraçado" no ES, o "progresso" a partir do crescimento desprogramado de multinacionais como a Aracruz, Vale...é que fez que nos meados dos anos 80 o estado passasse da condição de estado pacato para o estado cuja capital é a cidade mais violenta do mundo, nos EUA eles pagam por receberem emigrantes dos países em que eles mesmo incentivam o "progresso" via o sub desenvolvimento imposto a sua população por empresários e governos aliados ao narcotráfico e ao trafico de mulheres. Ou aos exploradores de riquezas naturais.
 
O que reduziria os "custos" dos detentos ( Uma tese documento, no ES- a polemica da vez, no Brasil- mostra que os custos penitenciários, são mais para atender as "necessidades" de gestores e mega empresários do que propriamente os gastos despendidos com os próprios detentos) seria desvantagem para os mega de lá também.

O Exterminador do Futuro: da ficção p/a realidade

enquanto que exemplos dados em modelos
sócio reeducador, em penitenciárias que comprovadamente teve seus custos reduzidos ao implantar programa ressocializador, são ignorados convenientemente em estados como a Califórnia e a maioria dos estados brasileiros ( salvo MT e Paraná ). Sem contar nas práticas de tortura que ou matam o detento ou o faz , em 90% dos casos reincidirem, quando apenados.
mas não é ele,o governador californiano , o "EXTERMINADOR DO FUTURO"? Faz juz ao título, e garante a continuidade da opressão de poderosos a população oprimida 

Sou capixaba e trabalhei diretamente com programas que visavam a redução de violência no ES. Trabalhei com comunidades, pessoas em risco de criminalidade,familiares de detentos,pessoas em risco de criminalidade, policiais, as 3 policias, detentos , sindicatos, e só não trabalhei com o governo, porque o próprio não teve interesse em fazer alianças. Defendi e acompanhei o processo de sindicalistas. 
Vi e estive em algumas rebeliões e motins. Estive ligada a grupos da sociedade Civil, propondo parceria com o estado, num oferecimento do Dr. Silvio Capistrano - adv. criminalista de credibilidade nacional, para um mutirão de revisão de penas, pois mais de 60% dos detentos estavam, na época ( 2005/2006/2007) aptos a liberdade assistida, ou com penas vencidas.

Sobre a Califórnia, afirmo sem medo de errar que o que acontece lá, acontece aqui, no ES tb. , só não posso afirmar, que lá ,O alto valor gasto com a segurança pública , é decorrente das verbas desviadas, superfaturadas.




 mudarmos o discurso e debater:

E é dessa maneira que acho que a sociedade precisa ver a questão da segurança pública: Precisa de saber o que gera a violência, o que eleva o custo da segurança pública e qual a conseqüência desse sistema penitenciário caótico. E pode saber Tb. O pq. Só negro, “puta” e pobre, estão cumprindo pena no Brasil. 

Pena de Morte:

Se a Califórnia, estado do Exterminador do Futuro, é um estado onde a pena de Morte é legalizada, porque a violência se faz com taxa tão alta?Não seria melhor se o estado combatesse a violência onde ela de fato se inicia? E as reincidências? Se em estados com um programa de ressocialização existente, a reincidência é infinitamente menos que em estados como Califórnia, ES, MG, SP..., o que leva um governo a questionar a formula empregada nos melhores sucedidos e não segui-la?

Nenhum comentário: